Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Caraguatatuba, São Paulo, Brazil
Deixar registrado aqui essa fase da minha vida. Difícil, talvez a pior, mas como tal já passou. Conheço meu inimigo, portanto nunca subestimo o Câncer. Esse mal é traiçoeiro, e como!!! Não valorizo a sua passagem muito menos o seu fantasma. Não deixo de viver um dia sequer, grata a Deus que me concebe, feliz por ser a mulher forte que sou. Ando com Fé, e bola pra frente. A vida não para e eu também não.

Translate

Total de visualizações de página

2 de março de 2011

Dra. NISE YAMAGUCHI

Precisamos ter os olhos da alma muito abertos para conseguirmos olhar além das formas, das aparências e conectarmos com os nossos seres amados de coração para coração.
Dra. Nise Yamaguchi

Diretora do Instituto Avanços em Medicina. 



Hoje foi reprisado no canal GNT, a entrevista do Anjo Dra. Nise Yamaguchi.
Para aqueles que ainda não conhecem, segue a entrevista dela concedida a Jornalista Maya Santana.
E o video do Programa da Marília Gabriela.
Dizer que a Dra. Nise Yamaguchi é um ser humano extraordinário significa pouco, se a gente quiser realmente fazer jus a esta Oncologista, de 51 anos, filha de imigrante japonês. Ela dorme de 3 a 5 horas por noite; fala quatro idiomas fluentemente, inclusive o alemão, e se comunica em outros 3, entre eles o japonês. É diretora do Instituto Avanços em Medicina, em São Paulo, membro do Comitê Internacional da Sociedade Americana de Oncologia Clínica e consultora do International Prevention and Research Institute, em Lyon, na França, para citar apenas algumas de suas atividades. É comum encontrá-la à uma da manhã pelos corredores do Hospital Sírio Libanês, visitando seus pacientes. Todos eles amam esta médica inquieta, cientista brilhante, que trata cada um deles “como meus heróis anônimos”. Muitos se referem a ela como “uma luz”, “um anjo vindo do céu”.



Maya Santana – O número de casos de câncer está mesmo aumentando?

R - Os casos estão aumentando, mas também estamos vivendo mais. O que acontece é que o câncer é uma doença causada por mutação de células, pela transformação do meio onde a célula está crescendo. O fato de estar havendo um crescimento do número de pacientes tem uma relação com o lado hereditário da pessoa, com o meio ambiente, o estilo de vida. Se ela fuma, bebe, pratica sexo inseguro,tendo mais infecções virais, está sujeita a diversos tipos de câncer relacionados a estes fatores, como câncer de pulmão, de estômago, de esôfago, de pâncreas, de bexiga, de colo de útero. Se ela tem obesidade, é sedentária, fabrica mais fatores semelhantes à insulina, dentre outros, e pode ter mais câncer de mama, de próstata, colon e útero(endométrio). E há ainda a questão do excesso de fertilizantes, adubos e inseticidas usados nos alimentos. Tudo isso está ocasionando uma avalanche de fatores químicos e propiciadores de câncer para o organismo lidar.

MS – O tipo de alimentação da pessoa influencia muito…

R - O excesso de carne vermelha, de hormônios, corantes e conservantes faz com que haja mutações celulares. E os produtos industrializados, principalmente, têm muito destas substâncias. Hoje em dia, a maioria das frutas, legumes e saladas também contêm uma quantidade muito grande de agrotóxicos. Tudo isto leva a muitas doenças, que vão sendo tratadas pela moderna medicina. Outro fato importante no aparecimento do câncer é a idade, com a diminuição de um fragmento do DNA chamado telômero e a tendência a mutações acumuladas ao longo do tempo, em diversas células do organismo, expostas a substâncias indutoras de câncer. Como estamos vivendo mais tempo, as células ficam mais expostas a mutações. Houve a época dos poetas que morriam de tuberculose com 25/30/40anos. Hoje, a expectativa de vida do brasileiro é de mais de 70 anos. E ainda o homem vive menos do que a mulher, porque se cuida menos. A saúde do homem é pior do que a da mulher.
MS – Por que o homem se cuida menos?

R - Eu acho que é porque ainda não entrou nos hábitos dele se cuidar. Ele bebe mais, fuma mais, tem mais problemas com a obesidade. É cultural. Não vai ao médico de jeito nenhum, só quando precisa. Já a mulher, vai ao ginecologista, faz a prevenção. Ele costuma ser mais sedentário. O sedentarismo cria uma dificuldade para o organismo lidar com os estresses, porque a pessoa vai sobrecarregando o organismo em nível cardiovascular. Passa a não gastar toda a energia que consome. Hoje, consumimos mais alimentos do que o organismo precisa. Isso é incrível, porque nós temos muitas pessoas que passam fome e tantas pessoas que comem mais do que necessitam.
MS – O que nos leva a comer mais do que precisamos?

R - Além de comer para sobreviver, hoje, há muitos estímulos, excesso de oferta de alimentos. Mas, além disso, está havendo uma confusão entre afeto e comida. As pessoas não têm tempo mais para as outras. Elas não se cultivam mais e, muitas vezes, a comida entra como uma tentativa de substituir o prazer da convivência, o prazer de se sentar calmamente em torno de um fogo e conversar. Tudo se passa em torno da mesa, no almoço e no jantar. Inclusive, engole-se os problemas também. E, acaba se comendo mais. Além disto, a falta de tempo faz com que se consumam mais alimentos industrializados, com grande quantidade de sal e gordura na dieta.
MS – Há um tipo de pessoa com um perfil mais propenso a contrair o câncer?

R - Há uma grande discusssão na humanidade, se o câncer tem origem psicossomática ou não. O que nós sabemos é que ele é causado por múltiplos fatores. Tem uma parte genética, uma parte comportamental, ambiental e há uma outra que é imponderável, porque basta uma célula ter mutações graves e não ser vista pelo sistema do organismo para se tornar uma célula tumoral. Agora, será que isso é tão aleatório assim? É difícil de dizer. Mas, as nossas emoções interferem em nossa área imunológica. A depressão, a raiva, a ansiedade e a angústia atuam nas mesmas vias que o estresse atua. A pessoa aumenta a produção de adrenalina e reduz a de serotonina, que é o hormônio do prazer.
MS – E qual é a conseqüência disso?

R - A produção excessiva de adrenalina pode aumentar a de cortisona pelas glândulas supra-renais e baixar a imunidade do organismo. Alguns estudos psicossomáticos relatam que o tipo de personalidade ou de comportamento do indivíduo pode estar mais relacionado à evolução da doença. Uma coisa que a gente sabe é que quando a pessoa já está doente, aquela que luta vai melhor; abaixo, vem aquela que nega a doença; em seguida, vem a que aceita a doença resignadamente; e, por último, a que vai pior, é aquela que está totalmente desistente, não tem esperanças. O que quero dizer é que, estudos científicos mostram que o comportamento da pessoa frente a doença faz diferença. Uma outra coisa, é a adesão das pessoas aos tratamentos. Quando se tem uma rede de amigos, quando se sente apoiada, quando se relaciona bem com os profissionais de saúde que estão cuidando dela, a pessoa também evolui melhor. Nós somos seres gregários, basicamente. Em todas as culturas as pessoas buscam umas às outras. E esse é um dos elementos mais importantes para se combater uma doença.
MS – É possível uma pessoa se curar, se livrar completamente de um câncer?

R - Todo câncer tem cura, quando é detectado precocemente. Isso é de extrema importância. Quando o câncer é detectado em estágios mais avançados, é preciso ressaltar que o peso dos nossos medos, das nossas angústias, ocupam um espaço muito grande em nossa psique. E muitas vezes minam a capacidade de se ir em frente. É fundamental que a pessoa tenha consciência do problema, que o enfrente adequadamente. Mas, temos que buscar ver mais acima. O ser humano precisa da esperança, senão a gente não levanta da cama nem um dia. Se acharmos que o mundo é péssimo, que não vai melhorar, que está tudo ruim, não vamos querer sair de casa. Isso tudo se aplica no combate à doença, que exige de você o máximo que você pode dar e mais um pouco.
MS – O que se pode fazer de concreto para evitar o câncer?

R - Existe o lugar comum da prevenção. Todo mundo fala: comer várias porções de verdura, saladas e frutas; fazer exercícios, procurar o médico aos primeiros sintomas, fazer Papanicolaou, mamografia, exame de próstata, exame de intestino. Mas, por que as pessoas sabem disso e não fazem? Todo mundo sabe o que não deve fazer: não fumar, não beber, descansar, diminuir o estresse, fazer exercício. Tudo isso é absolutamente verdadeiro. Está estampado em todas as revistas, em todos os lugares.
MS – Por que as pessoas agem assim?

R - Esta é a grande questão. Por que as pessoas não fazem isso? Quais são os pontos cegos que fazem com que uma pessoa não enxergue os sintomas e fique chupando balinha para um câncer de garganta, tomando um xaropinho para um câncer de pulmão. Tomando analgésicos quando tem lesão nos ossos. O que acontece que faz com que a gente tenha uma área cega dentro de nós mesmos, que não percebe os sintomas? O que faz com que o nosso organismo não perceba uma célula doente e não se torne mais sadio? Como é que o organismo perde a auto-regulação? Para se ter saúde, precisa haver um equilíbrio perfeito do organismo em sintonia com o meio ambiente.
MS – A senhora é conhecida pela medicina humanista que pratica. Fale um pouco da maneira como lida com o paciente.

R - O que eu faço numa consulta é tentar achar junto com a pessoa do por quê a vida dela vale a pena, o significado da vida dela, para ela e para aqueles que estão em volta, para o mundo. Isso, para mim, é tão essencial quanto chegar ao diagnóstico e ao tratamento. Geralmente, eu vejo os exames antes de a pessoa entrar e já tenho uma idéia do tratamento que tenho que fazer. Eu coleto as minhas informações mas, em essência, o que quero é conhecer esta pessoa que está na minha frente. Isso é extremamente importante para o tratamento que eu vou oferecer.
MS – É um encontro terapêutico?

R - Exatamente. E esse encontro terapêutico é parte essencial do tratamento. Ele tem um efeito estimulador na psique do paciente, de diminuição dos medos, diminuição das angústias, aumentando a capacidade de enfrentamento. Costumo dizer que os meus pacientes são os meus heróis anônimos, pela coragem de ir em frente; pela coragem de ousar. As chances de o tratamento surtir efeito são individuais, por isso, é muito importante para mim resgatar no indivíduo a vontade de viver. Se eu pudesse passar uma mensagem para as pessoas com mais de 50 anos, e para as com menos de 50 também, é que a vida vale a pena.
MS – A senhora consegue convencê-los de que vale a pena viver?

R - O que digo a eles é que temos que ser muito criativos, porque a vida exige de nós o tempo todo. Ao mesmo tempo, é uma luta prazeirosa, se soubermos olhar a paisagem; se soubermos usufruir dos contactos humanos que vamos tendo ao longo do caminho. Quando eu penso no meu dia, saindo de um hospital e entrando em outro, eu penso também nas pessoas que encontro pelos corredores, os ascensoristas, os porteiros, as atendentes da lanchonete, as copeiras. Todos nós nos olhamos, nos vemos. Eles percebem quando eu não vou, eles me cumprimentam alegremente, ajudam espontaneamente, são nutritivos para um dia conturbado.
MS – Ajudam a tornar a vida mais leve…

R - O que nós precisamos é aprender a olhar, a enxergar. Precisamos ter os olhos da alma muito abertos para conseguirmos olhar além das formas, das aparências e conectarmos com os nossos seres amados de coração para coração. Eu acho que não existe tempo, não existe espaço quando estamos conectados pelo amor. Amor é uma energia que move montanhas, nos estimula a viver, estabelece parcerias com as pessoas que vamos encontrando e que consegue tirar as pessoas de momentos tensos e graves exatamente por essa força transformadora que tem.
MS – A senhora devota a vida a este amor?

R - Sim. Amor à Ciência, ao Ser Humano, ao Conhecimento, à qualidade de vida, à possibilidade de servir, à possibilidade de atuar e modificar os ambientes. Eu acredito muito na união das pessoas. Você junta pessoas que têm capacidades intelectuais maravilhosas você vai conseguir um resultado que é diferente da somatória individual. Também é muito importante estarmos olhando para nós como indivíduos. Quais são as questões que precisamos melhorar dentro de nós para que sejamos seres humanos melhores.

5 comentários:

Angela Fonseca disse...

Excelente postagem! Li muito rapidamente, voltarei para ler em detalhe. Saudades...
Depois dê uma chegada no blog da Drica para ver o absurdo que está acontecendo... Beijinhos, Angela
http://noticiasdacozinha.blogspot.com

Karina - Frei-Sein disse...

Ei minha amiga Wilma... Sempre em busca de novas notícias e informações importantes de alerta e conhecimento para todos!!
Te adoro muito... Muito obrigada pela sua constante presença em minha vida!!
Bjoss...

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog "to fora to dentro". Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Regina Rozenbaum disse...

Wilma, amada!
Antes de qualquer coisa quero deixar bem claro que se chegaram aqui através do meu blog não sei, não sei de nada...mas já vi, em todos os amigos em comum, o mesmo "comentário". Quanto a postagem você sempre nos brindando com verdadeiros achados! "Quais as questões que devemos melhorar em nós?" Ah se a medicina fosse feita de anjas Doutoras assim...ah que maravilha seria!!!
Beijuuss n.c.

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Achei triste essa forma tão impessoal de se chegar, e patético ainda ver a mesma mensagem em várias colegas.

Postagens populares

Arquivo do blog

LEIA KARDEC

LEIA KARDEC

PARE UM POUCO E CONHEÇA ESSAS CRIANÇAS E ESSE TRABALHO, E TRANSFORME SUA VIDA E A VIDA DELAS TB..

PARE UM POUCO E CONHEÇA ESSAS CRIANÇAS E ESSE TRABALHO,  E TRANSFORME SUA VIDA  E A VIDA DELAS TB..
http://oquevivipelomundo.blogspot.com.br/

NÃO TENHA DÓ TENHA ATITUDE

NÃO TENHA DÓ TENHA ATITUDE
UM ANIMAL PRINCIPALMENTE DE RUA, SENTE FRIO, FOME, MEDO, SOLIDÃO, DOR. IGUAL A VOCE. PENSE NISSO... NÃO COMPRE UM ANIMAL ADOTE UM CÃO ABANDONADO, ELE LHE SERÁ ETERNAMENTE GRATO.

Minha lista de blogs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

DOE SANGUE

ASSOCIAÇÃO VIVA MELHOR APOIO A MULHERES MASTECTOMIZADAS

EXPOSIÇÃO EU PEITO